Intrajornada e interjornada: conheça as principais diferenças entre os intervalos

intrajornada e interjornada

A dinâmica das jornadas de trabalho das equipes envolve questões que vão além do cumprimento de tarefas e horas. Elas também incluem a consideração de pausas regulares ao longo do dia segundo algumas regras: o intervalo intrajornada e interjornada.

Apesar de serem dois conceitos distintos, eles estão conectados por sua importância para a gestão de pessoas e a eficiência no ambiente de trabalho. Então, as empresas precisam se familiarizar com as regras por trás deles para prevenir problemas.

Os dados também comprovam essa ideia. Uma pesquisa da Nasa já comprovou que trabalhadores descansados ficam 54% mais alertas, além de terem um desempenho 34% melhor em suas atividades.

Quer saber mais? Então, confira este artigo para entender tudo sobre intervalo intrajornada e interjornada.

Quais as diferenças entre intervalo intrajornada e interjornada?

Os conceitos de intervalo intrajornada e interjornada são ambos períodos de descanso dos funcionários, mas têm diferenças importantes em como ocorrem na rotina profissional. Essa definição é regulamentada pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) no Brasil.

O intervalo intrajornada é o período de repouso concedido ao trabalhador durante a sua jornada diária de trabalho. Ele é essencial para os funcionários poderem descansar, se alimentar e recuperar as energias no meio do expediente.

Já o intervalo interjornada é o período de descanso que deve ocorrer entre o final de um turno e o início do próximo. Ele garante que o trabalhador tenha tempo suficiente para se preparar antes de iniciar um novo período de trabalho.

Dessa forma, a principal diferença entre os dois tipos de intervalos está no momento em que ocorrem. Enquanto o intrajornada é um descanso dentro de um dia, o interjornada é a pausa entre dois dias de trabalho.

15 competências futuro

O que diz a legislação sobre os dois tipos de intervalo?

Tanto a intrajornada quanto a interjornada são regulamentadas pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) no Brasil, garantindo direitos essenciais para a proteção e o bem-estar dos trabalhadores. Então, é na legislação que se pode encontrar as diretrizes específicas para a aplicação e cumprimento delas.

Veja a seguir o que diz a lei sobre intrajornada e interjornada:

Características do intervalo intrajornada

Como você viu, o intervalo intrajornada é o período de descanso ou refeição que ocorre dentro da jornada diária de trabalho. Ele é regulamentado pelo artigo 71 da CLT.

A legislação diz que o trabalhador tem direito a um intervalo de, no mínimo, 15 minutos em jornadas de 4 a 6 horas. Já naquelas que excedem essa duração, a pausa deve ser de, no mínimo, uma hora e, no máximo, duas horas.

Além disso, o tempo da intrajornada não é computado como parte da jornada de trabalho. Então, em um turno de 8 horas, o empregado deve trabalhar as 8 horas completas, além do período de intervalo.

Por fim, determinadas categorias profissionais ou situações específicas podem ter regras diferentes, negociadas por acordos ou convenções coletivas. E mais: empresas que não concedem o intervalo intrajornada conforme a legislação devem pagar o período correspondente como horas extras.

Características do intervalo interjornada

O intervalo interjornada é previsto no artigo 66 da CLT. Ele se refere ao período de descanso obrigatório entre o término de um dia de trabalho e o início do próximo, como você já viu.

De acordo com a lei, o trabalhador deve ter um descanso ininterrupto de pelo menos 11 horas entre o final de uma jornada e o início da próxima. Se isso não for cumprido, torna-se necessário o pagamento das horas não concedidas como horas extras.

Essa pausa é fundamental para garantir a recuperação física e mental do trabalhador antes de um novo dia em suas atividades. Sem ela, a saúde e a produtividade do empregado podem ser seriamente comprometidas.

Já em casos excepcionais, onde o intervalo interjornada não pode ser respeitado, as horas não concedidas devem ser remuneradas com adicional de horas extras.

Qual é a importância de fazer pausas no trabalho?

A legislação por trás do intervalo intrajornada e interjornada existe por conta da necessidade de proteger a saúde e a segurança dos trabalhadores. Afinal, trabalhar por muitas horas seguidas pode ser desgastante e prejudicial tanto física quanto mentalmente.

A seguir, conheça os principais reflexos positivos de fazer pausas no trabalho:

Melhor concentração e produtividade

O cérebro humano não é projetado para manter o foco por longos períodos sem descanso. Dessa forma, pausas breves permitem que a mente se recupere, resultando em maior clareza mental e produtividade renovada ao retornar ao trabalho.

Menos estresse e ansiedade

Momentos de pausa também ajudam a aliviar a pressão acumulada durante o trabalho, reduzindo os níveis de estresse e ansiedade. Assim, é possível contribuir para um ambiente mais equilibrado e saudável.

Prevenção de lesões

Fazer pausas regularmente é importante para prevenir lesões por esforço repetitivo (LER) e outros problemas similares. Elas podem ocorrer por diversos fatores, incluindo posturas inadequadas, movimentos repetitivos e tensão muscular prolongada.

Mais criatividade e inovação

Um cérebro descansado é mais propenso a gerar novas ideias e soluções criativas. Isso é essencial para que a empresa sempre possa contar com abordagens inovadoras para seus desafios do dia a dia. Afinal, fazer pausas no trabalho permite que os funcionários renovem suas referências.

Como fazer a gestão dos intervalos intrajornada e interjornada?

Como você viu até aqui, intrajornada e interjornada são questões previstas na legislação, além de trazer benefícios importantes para a realização das atividades da empresa. Então, é preciso fazer a gestão delas adequadamente.

Entre as possibilidades para administrar os intervalos intrajornada e interjornada da sua organização, você pode contar com:

  • políticas claras e comunicadas: estabeleça diretrizes objetivas e específicas para os intervalos e certifique-se de que todos os funcionários compreendam suas responsabilidades;
  • organize turnos estrategicamente: organize os horários de trabalho das equipes de forma a respeitar as pausas exigidas por lei e otimizar a eficiência;
  • software de gestão de ponto: esse tipo de solução ajuda a gerenciar os horários do time e os intervalos intrajornada e interjornada de maneira automatizada e precisa;
  • reforce uma cultura de pausas: promova um ambiente onde o descanso é visto como essencial para o desempenho e o bem-estar dos colaboradores.

O respeito aos intervalos intrajornada e interjornada é obrigatório com base na CLT, mas o seu cumprimento vai além de uma exigência legal. Afinal, é fundamental promover um ambiente de trabalho saudável e produtivo, e fazer pausas regularmente é um dos caminhos para isso.

E para engajar ainda mais os colaboradores, um Plano de Desenvolvimento Individual (PDI) pode ser uma boa ferramenta. Saiba mais em nosso guia completo!

pdi guia

just in time

Just in time: o que é, objetivos e exemplos

Just in time (JIT) é uma estratégia de gerenciamento de produção que busca otimizar processos, minimizar desperdícios e elevar a eficiência operacional.  Desenvolvido pela Toyota, o JIT revolucionou a forma como as empresas gerenciam estoques e produção, ajustando a fabricação

Inovação em serviços: o que é, importância e exemplos

Quando a concorrência se intensifica e as exigências dos consumidores aumentam, o caminho que as empresas têm para sobreviver é a inovação em serviços. Afinal, a capacidade de se adaptar e oferecer algo único e valioso é o que diferencia

Encontre materiais e conteúdos da FRST