Saiba como medir os principais indicadores de produtividade

indicadores de produtividade

Indicadores de produtividade são métricas quantitativas ou qualitativas utilizadas para medir a eficiência e o desempenho de um processo, departamento ou organização em relação à produção de bens ou serviços. 

De modo geral, esses indicadores fornecem insights importantes sobre como os recursos estão sendo utilizados e como o trabalho está sendo realizado, além de apontar áreas de melhoria, por exemplo.

Entenda agora como os indicadores de produtividade são fundamentais na gestão e na tomada de decisões estratégicas!

O que são indicadores de produtividade?

Os indicadores de produtividade são ferramentas essenciais para avaliar o desempenho de uma organização. Eles são capazes de fornecer informações valiosas para a tomada de decisões e para o aprimoramento de processos e operações.

Com esses resultados em mãos, as empresas podem ter uma visão clara de padrões, detectar problemas potenciais e tomar medidas corretivas antes que impactem significativamente o rumo de seus negócios. 

Além disso, os indicadores de produtividade também podem ser usados para estabelecer metas e benchmarks, facilitando a comparação do desempenho atual com objetivos pré-definidos ou com o desempenho de outras organizações do setor.

banner blog mindset agil

Quais são os principais indicadores de produtividade?

Existem diversos indicadores de produtividade que podem ser acompanhados pelas empresas. Eles podem ser usados por áreas como Finanças, Recursos Humanos, Gerência de Operações, Marketing entre outras. 

Alguns dos mais comuns são:

Indicadores de turnover

Indicadores de turnover são métricas utilizadas para medir a taxa de rotatividade de funcionários em uma organização durante um determinado período de tempo. 

A saber, o turnover, ou rotatividade de pessoal, diz respeito à frequência com que os funcionários entram e saem da empresa, seja por demissões, saídas voluntárias, aposentadorias ou transferências para outras áreas ou posições.

Uma alta taxa de turnover, por exemplo, pode indicar problemas como insatisfação dos funcionários, falta de engajamento, clima organizacional negativo, inadequação nas práticas de recrutamento e seleção, entre outros fatores.

Por outro lado, uma baixa taxa de turnover, geralmente, está associada a um ambiente de trabalho mais estável, com funcionários mais satisfeitos e maior engajamento.

Isso pode resultar em benefícios como maior produtividade, continuidade nos processos e redução de custos relacionados à contratação e treinamento de novos funcionários.

Como calcular

Os indicadores de turnover podem ser calculados de diferentes formas, de acordo com as necessidades da organização. Alguns exemplos são:

  • Taxa de rotatividade geral: total de funcionários que deixaram a empresa em um período, dividido pelo número médio de funcionários no mesmo período; 
  • Taxa de rotatividade voluntária: total de funcionários que saíram voluntariamente, dividido pelo número médio de funcionários; 
  • Taxa de rotatividade involuntária: total de funcionários demitidos pela empresa, dividido pelo número médio de funcionários.

O que fazer com os resultados

Esses indicadores apontam tendências no quadro de funcionários e as causas subjacentes da rotatividade. 

Além disso, podem auxiliar na implementação de estratégias de retenção de talentos, direcionando medidas para melhorar o ambiente de trabalho e a satisfação dos funcionários.

Indicadores de lucratividade

Indicadores de lucratividade são métricas que avaliam a capacidade de uma empresa em gerar lucro a partir de suas operações. 

Eles fornecem insights sobre a eficiência financeira e a rentabilidade do negócio e são fundamentais para avaliar o desempenho financeiro de uma organização. 

Como calcular

Existem diferentes indicadores de lucratividade, cada um fornecendo uma perspectiva específica sobre a rentabilidade do negócio. Alguns dos mais comuns são:

  • Margem de lucro: que pode ser calculada dividindo o lucro líquido pela receita total, expressando o resultado como uma porcentagem. 
  • Retorno sobre Vendas (ROS): ele mede a eficácia da empresa em gerar lucro a partir das vendas líquidas. Ele pode ser calculado dividindo o lucro líquido pela receita líquida, expressando o resultado como uma porcentagem.

O que fazer com os resultados

Com o resultado dos indicadores de lucratividade em mãos, as empresas podem tomar diversas ações para melhorar seu desempenho financeiro. 

Por exemplo, se a margem de lucro ou o ROS estiverem abaixo do esperado, a empresa pode buscar reduzir custos, aumentar preços, otimizar processos ou implementar estratégias de marketing para aumentar as vendas e melhorar a rentabilidade. 

Indicadores de qualidade

Indicadores de qualidade são métricas que permitem avaliar o desempenho de processos, produtos ou serviços em relação aos padrões de qualidade estabelecidos pela organização. 

Eles são essenciais para garantir a satisfação do cliente, a conformidade com normas e regulamentações, e a melhoria contínua dos produtos e processos.

Existem diferentes tipos de indicadores de qualidade, que podem ser divididos em duas categorias principais: indicadores de processo e indicadores de produto/serviço.

Os indicadores de processo medem a eficácia e eficiência dos processos internos da empresa na produção de produtos ou na prestação de serviços. 

Exemplos comuns incluem tempo de ciclo, taxa de retrabalho, taxa de defeitos, taxa de rejeição, entre outros. Esses indicadores são calculados com base em dados coletados ao longo do processo produtivo ou de prestação de serviço.

Já os indicadores de produto/serviço avaliam a qualidade dos produtos finais ou dos serviços entregues aos clientes.

Eles podem incluir taxa de satisfação do cliente, taxa de devolução de produtos, número de reclamações de clientes, entre outros. 

Esses indicadores são geralmente obtidos por meio de pesquisas de satisfação, feedback dos clientes ou análise de dados de retorno de produtos.

Como calcular

Para calcular os indicadores de qualidade, é necessário definir os critérios de qualidade desejados e estabelecer métodos claros de coleta e análise de dados. 

Os dados coletados são então comparados com os padrões de qualidade estabelecidos para determinar se o desempenho está em conformidade com as expectativas.

O que fazer com os resultados

Com o resultado dos indicadores de qualidade em mãos, as empresas podem tomar diversas ações de melhorias, além de realizar análises de causa raiz para identificar problemas e implementar ações corretivas. 

Além disso, também podem ser usados para estabelecer metas de melhoria e monitorar o progresso no decorrer de um período.

Indicadores de excelência operacional

Indicadores de excelência operacional são métricas que avaliam a eficiência e eficácia dos processos internos de uma organização, com o objetivo de alcançar um alto nível de desempenho e produtividade. 

Esses indicadores podem abranger uma variedade de áreas e processos, incluindo produção, logística, gestão de estoque, gestão de fornecedores, atendimento ao cliente, entre outros. 

Exemplos comuns de indicadores de excelência operacional incluem tempo de ciclo, taxa de utilização de recursos, taxa de retrabalho, taxa de refugo, taxa de entrega no prazo, entre outros.

Como calcular

O cálculo desses indicadores, geralmente, envolve a coleta de dados relevantes ao longo do processo operacional e a aplicação de fórmulas ou métodos de análise para obter resultados significativos. 

Por exemplo: o tempo de ciclo pode ser calculado dividindo o tempo total necessário para concluir uma atividade, pelo número de unidades produzidas nesse período. 

Já a taxa de utilização de recursos pode ser calculada dividindo o tempo total de utilização dos recursos, pelo tempo disponível.

O que fazer com os resultados

Com o resultado dos indicadores de excelência operacional em mãos, as empresas podem identificar as causas de falha e implementar medidas corretivas, treinando equipes ou investindo em tecnologia.

Os resultados também podem ser usados para estabelecer metas de desempenho, monitorar o progresso e identificar áreas de destaque ou de preocupação dentro da organização. 

Ticket médio 

O ticket médio é um indicador financeiro que representa o valor médio das transações realizadas por cliente em uma empresa durante um determinado período de tempo. 

Esse indicador é importante para entender o comportamento de compra e para avaliar o desempenho das estratégias de vendas e marketing. 

É muito usado para orientar as decisões comerciais e ajudar a empresa a maximizar seu faturamento e sua lucratividade.

Como calcular

O cálculo do ticket médio é bastante simples e é feito dividindo o valor total das vendas pelo número total de transações realizadas no período analisado. 

Por exemplo, se uma loja teve um total de R$ 10 mil em vendas durante um mês e realizou 500 transações, o ticket médio seria de R$ 20,00 por transação (R$ 10 mil  / 500).

O que fazer com os resultados

Com o resultado do ticket médio em mãos, as empresas podem implementar estratégias para aumentar o valor médio das transações, por exemplo, como oferecer descontos por volume, criar pacotes de produtos ou serviços, ou promover vendas cruzadas e upselling.

Além disso, o ticket médio também pode ser usado para avaliar o impacto de campanhas de marketing e promoções na empresa. 

ROI

O ROI, ou Return on Investment (Retorno sobre o Investimento), é um indicador financeiro que mede a rentabilidade de um investimento realizado por uma empresa. 

Ele expressa o retorno financeiro obtido em relação ao custo do investimento, permitindo avaliar se o investimento foi lucrativo ou não.

Como calcular

O cálculo do ROI é relativamente simples e é feito subtraindo o custo do investimento do valor obtido com o investimento, e dividindo o resultado pelo custo do investimento:

ROI = (Ganho do Investimento – Custo do Investimento) / Custo do Investimento

O resultado do cálculo é geralmente expresso como uma porcentagem ou um valor decimal. 

Um ROI positivo indica que o investimento gerou um retorno financeiro superior ao custo inicial do investimento, enquanto um ROI negativo indica que o investimento resultou em perda financeira.

O que fazer com os resultados

Com o resultado do ROI em mãos, as empresas podem tomar diversas ações para interpretar e utilizar esse indicador, como por exemplo avaliar e comparar a viabilidade das alternativas de investimento, além de identificar áreas específicas de melhoria. 

Taxa de conversão

A taxa de conversão é um indicador utilizado no marketing digital para medir a eficácia de uma campanha, página de destino (landing page) ou processo de vendas em converter visitantes em clientes ou leads (potenciais clientes). 

Essa métrica é essencial para avaliar o desempenho de estratégias de marketing e identificar oportunidades de otimização.

Como calcular

Para calcular a taxa de conversão, é necessário definir o objetivo da campanha. 

Por exemplo, se o objetivo é converter visitantes em clientes, a taxa de conversão será calculada dividindo o número de visitantes que realizaram a ação desejada (por exemplo, fazer uma compra) pelo número total de visitantes, e multiplicando o resultado por 100 para obter a porcentagem.

Taxa de Conversão = (Número de Conversões / Número Total de Visitantes) * 100

Por exemplo, se uma página de destino recebeu 1000 visitantes e 100 desses visitantes realizaram uma compra, a taxa de conversão seria de 10% ((100 / 1000) * 100).

O que fazer com os resultados

Com o resultado da taxa de conversão em mãos, as empresas podem tomar diversas ações para otimizar suas estratégias de marketing e melhorar suas taxas de conversão, como por exemplo a otimização da página de destino e a melhoria da segmentação de público. 

Grau tecnológico 

O grau tecnológico é um indicador que avalia o nível de tecnologia e inovação adotado por uma empresa em seus processos, produtos ou serviços. 

Como calcular

Para calcular o grau tecnológico, é necessário analisar diversos aspectos relacionados à adoção de tecnologia pela empresa. 

Isso pode incluir a utilização de sistemas e softwares, automação de processos, implementação de máquinas e equipamentos, investimento em pesquisa e desenvolvimento, adoção de tecnologias digitais e inteligência artificial, entre outros.

O grau tecnológico pode ser avaliado qualitativamente, considerando o nível de sofisticação e inovação das tecnologias utilizadas pela empresa em comparação às práticas do mercado e concorrentes. 

Além disso, também é possível utilizar indicadores quantitativos, como o investimento em tecnologia em relação ao faturamento da empresa ou a proporção de funcionários dedicados a atividades relacionadas à tecnologia e inovação.

O que fazer com os resultados

Com o resultado do grau tecnológico em mãos, as empresas podem tomar diversas ações para aumentar sua competitividade, como por exemplo, fazer investimento em pesquisa e desenvolvimento, atualizar sistemas e equipamentos, além de fazer parcerias para aproveitar o conhecimento e expertise de terceiros.

Índice de Flexibilidade

O Índice de Flexibilidade é um indicador que avalia a capacidade de uma empresa ou sistema de se adaptar e responder às mudanças e desafios nas condições de mercado, demandas dos clientes, tecnologias emergentes e outros fatores externos ou internos que possam afetar suas operações. 

Como calcular

O cálculo do Índice de Flexibilidade pode variar dependendo de critérios específicos. Geralmente, envolve a análise de diversos aspectos relacionados às áreas operacional e financeira.  

Com o resultado do Índice de Flexibilidade em mãos, as empresas podem tomar diversas decisões sobre investimentos em tecnologia, desenvolvimento de competências, além de monitorar tendências. 

Qual a importância de aplicar os indicadores de produtividade?

A aplicação dos indicadores de produtividade é fundamental para avaliar o desempenho operacional, identificar áreas de melhoria e tomar decisões estratégicas embasadas em dados. 

Esses indicadores permitem que as empresas monitorem a eficiência, a qualidade, a rentabilidade e a competitividade de suas operações, contribuindo para o aumento da produtividade, a redução de custos, o aumento da satisfação do cliente e a maximização dos resultados financeiros. 

Qual o papel da tecnologia na produtividade?

Nos dias atuais, é bastante óbvio o papel da tecnologia na produtividade. Afinal, ela permite que as organizações façam mais com menos recursos, impulsionando o crescimento e a competitividade no mercado.

A tecnologia pode ser empregada para automatizar tarefas repetitivas, otimizar processos, facilitar a comunicação, fornecer acesso rápido e fácil a informações relevantes, além de possibilitar a análise de dados em tempo real. 

A partir disso, as empresas podem aumentar sua eficiência operacional, reduzir erros, melhorar a qualidade dos produtos e serviços, e, consequentemente, aumentar sua produtividade. 

Ter indicadores de produtividade é essencial para verificar se a empresa está indo bem. Mas como fazer para colaboradores se tornarem mais produtivos? Leia em nosso guia gratuito como criar o seu Plano de Desenvolvimento Individual (PDI)!

pdi guia

just in time

Just in time: o que é, objetivos e exemplos

Just in time (JIT) é uma estratégia de gerenciamento de produção que busca otimizar processos, minimizar desperdícios e elevar a eficiência operacional.  Desenvolvido pela Toyota, o JIT revolucionou a forma como as empresas gerenciam estoques e produção, ajustando a fabricação

Inovação em serviços: o que é, importância e exemplos

Quando a concorrência se intensifica e as exigências dos consumidores aumentam, o caminho que as empresas têm para sobreviver é a inovação em serviços. Afinal, a capacidade de se adaptar e oferecer algo único e valioso é o que diferencia

Encontre materiais e conteúdos da FRST